Dicas de sexo e relacionamento

Desilusão amorosa – Parte 2 : Aceitando

Mesmo quem acha que está preparado para tudo na vida, está sujeito á levar aquele grande golpe da desilusão. Sim, é um grande golpe, que derruba até os mais fortes.

Então vamos lá, você fez tudo certo, mas de nada adiantou. Sabem por quê? As fases passam, as pessoas mudam e a vida segue, portanto aquela pessoa que te amava tanto, de uma hora para outra simplesmente pode olhar para você e agir como você nunca tivesse significado nada para ela. Parece surreal, mas grande parte dos relacionamentos acaba assim. Isso é fato!

E agora? Bem, não adianta achar que o mundo acabou, e a vida não tem mais graça sem aquela pessoa.  Esse tipo de comportamento só vai servir para te levar para o buraco!

Não se vitimize ! Esse é o primeiro passo, para não cair na fossa, em nenhuma situação devemos nos vitimizar. Você não é a única pessoa no mundo que está sofrendo uma decepção amorosa. Bem pior que isso seria um problema de saúde. Concorda ?

Entenda e aceite! Você precisa entender o que realmente aconteceu sem ouvir opiniões de pessoas que estão tentando te consolar. Assim só irá camuflar a dor. É bem melhor aceitar  e encarar o fato de uma vez, superando aos poucos mas para sempre.

Perdoe ! Sim você deve perdoar a pessoa que te decepcionou, mas isso não significa aceitar ela de volta. O perdão serve para nos livrarmos de sentimentos de ódio e vingança que só fazem mal para a alma. Agora se você resolver achar que perdoar é aceitar o que a pessoa fez, vai viver com essa dor te atormentando com direito a algumas  recaídas.

Acredite no seu próprio crescimento! Nada como uma decepção para nos fazer evoluir descobrir uma força interior que muitas vezes nem conhecemos.  Olhe para dentro de si mesmo, busque quem você é, na sua essência sem  influencia da pessoa que estava ao seu lado.

Queira  ser feliz! Você tem o direito de ser feliz, sempre em todas as situações, basta querer e tomar a decisão. Quando alguém demonstrar pena de você, não aceite. Diga que vai ser feliz mesmo com o que está passando. Felicidade é uma opção de vida ! E você vai escolher ser feliz!

Por Luana Gaúcha

 

Quem nunca teve uma desilusão amorosa? Quem nunca sofreu por amor?

Seja amor, seja apenas paixão, o importante é que quando acaba, temos que nos recuperar de alguma forma. Pois vejam bem, nada, absolutamente nada dura para sempre.

As amizades não acabam? Sim, elas acabam. Dificilmente uma amizade dura uma vida inteira, pode até não acabar oficialmente, mas por seguir caminhos diferentes, as pessoas acabam se afastando.Geralmente não sofremos tanto ao acabar uma amizade, agora um relacionamento sim, isso dói! E muito!

Desde o inicio, temos que estar preparados para o dia em que terminar, embora isso só seja possível na teoria. Agora, tem um detalhe que eu vou te dizer que dificilmente as pessoas percebem, e que faz toda a diferença.

Se você conseguir perceber o que eu vou te explicar, conseguirá atenuar seu sofrimento. E depois, vou te dar o passo a passo de como não cair na fossa ou até em depressão.

Vamos ao grande detalhe que precede um termino de relacionamento. Eu te pergunto. Como estava seu relacionamento quando acabou? Se você me disser que estava bom eu não vou acreditar, pois não tem como um relacionamento estar indo bem e acabar repentinamente sem motivo aparente. Até nos casos de uma traição, se a pessoa traída for avaliar vai perceber que tinha algo de errado. E talvez ela mesma já não estivesse feliz nesse relacionamento.

Então comece do principio de que quando está vivendo um relacionamento, por mais que seja prazeroso, enxergue também aquilo que não te agrada e esqueça o clichê de quem ninguém é perfeito e pelo menos isso ou pelo menos aquilo. Eu até concordo que ninguém é perfeito mas não é por isso que temos que usar essa frase para aceitar coisas que não nos fazem bem.Pois para viver um relacionamento temos que nos sentir, no mínimo mais feliz do que quando estamos sozinhos.

Se você conseguir tirar proveito dessa dica, já é um grande passo para evitar uma grande desilusão.  Muitas vezes quando nos decepcionamos com alguém, a culpa pode ser mais nossa do que da outra pessoa, é difícil enxergar isso. Pois, como uma pessoa que está sofrendo por uma desilusão, vai levantar a cabeça, pensar racionalmente e dizer: “ A culpa foi minha!”

Mesmo sendo difícil, o faça, como se fosse um exercício, pois assim você vai condicionando a sua mente, lembre-se que sua capacidade é muito maior do que você imagina. No momento em que você aceitar que a culpa foi sua, os motivos surgirão claramente na sua mente. Assim você vai entender que criou uma fantasia em torno da relação que estava vivendo e da pessoa que estava ao seu lado. Sei que quando se ouve isso vem logo aquele pensamento… “Todo mundo diz isso”. O problema é que essa frase só é dita quando estamos num relacionamento recente. Mas na realidade isso acontece muito em relacionamentos com anos de convivência. É nessa situação em que as pessoas fecham os  olhos de uma forma que nada faz a pessoa abrir os olhos, nem a verdade na sua frente. Nesse caso o tombo é bem maior. Pode fazer a pessoa levar anos para se recuperar.

Então, a partir de hoje, avalie seu relacionamento, mesmo que ele pareça perfeito e dure anos. Pergunte a si mesmo (a), o que você quer e o que não te satisfaz. Lembre-se, sua felicidade depende somente de você e não pertence a mais ninguém. Portanto não entregue sua felicidade para uma pessoa que nem te faz feliz de verdade.

Por Luana Gaúcha

 

Será que é somente o sexo que fascina os homens?

Inúmeras garotas de programa, no mundo inteiro são procuradas todos os dias em virtude do sexo de boa qualidade que oferecem. Eu digo de boa qualidade porque geralmente é isso que os clientes falam. Na maioria das vezes o homem precisa que surja na sua frente uma mulher: linda, gostosa, cheirosa e que o satisfaça sem cobranças, além do valor combinado. A solução mais rápida é contratar uma garota de programa.

Agora, será que as pessoas sabem quantos desses homens acabam se apaixonando pelas garotas de programa? A proporção é bem grande, pois já fiz uma pesquisa e constatei que mais de cinquenta por cento dos homens que procuram pela profissional do sexo, um dia já deixou seu coração na “alcova”. Muitos diriam que é só pelo sexo, mas não! Definitivamente não é pelo sexo!

Nenhum dos clientes, aos quais, fiz esta pergunta respondeu que o motivo principal era o sexo.  Pois o que atrai os homens, diferentemente do que as mulheres pensam não é o sexo. Muitas vezes , os homens buscam nas garotas de programa, outras qualidades, muito além do sexo bem feito. Até porque a garota de programa considerada “top” pelos clientes não é aquela que faz grandes performances na cama, e sim aquela que sabe se entregar e sentir prazer. Essa é a qualidade que diferencia uma profissional do sexo das outras mulheres. Pois quando queremos ter prazer, falamos a verdade! Algo tão simples e que gera tanta polemica, a ponto de deixar os homens confusos com relação ao prazer feminino.  Bem, mas esse não é o assunto em pauta. Voltaremos as  tão faladas “garotas de programa”.

Vocês querem saber o que elas têm que tanto fascina os homens?

Em primeiro lugar: Personalidade forte, isso mesmo! As garotas de programa, falam o que pensam e o que sentem, sem medo de serem julgadas pela sociedade, pois elas já são, somente pela sua profissão.

Além desta, existem muitas outras qualidades destas profissionais que são apontadas pelos clientes antes de tocarem  no assunto do sexo. As mais comuns é que elas são divertidas, engraçadas, seguras e felizes. Esse é o ponto mais contraditório. Quem entende como elas (eu também) podemos ser felizes? Sim , somos felizes e justamente pela nossa profissão aprendemos a dar menos importância para coisas pequenas. Nos divertimos com a simplicidade e sabemos o que queremos. É justamente a falta de pudor que nos permite sermos felizes , sem nos importar com a opinião alheia. As garotas de programa quando se apaixonam, são sinceras e vivem intensamente o relacionamento, sem ficar tentando mudar o homem , pois sabem exatamente como eles são na integra. Então se a garota percebe que o individuo não é o que ela espera, simplesmente desiste da relação, pois não insiste numa relação sem futuro, somente para ter um homem ao seu lado. Esse não é o objetivo de uma garota. Pois não procuram relacionamentos, muito menos se importam com grandes casamentos.

A grande diferença da mulher “ normal” e da “ garota de programa é que a primeira fica mal humorada quando tem que fazer sexo com seu companheiro, e a segunda, por sua vez, fica mal humorada quando não faz sexo.

Enquanto a “donzela” sai desesperada a procura de um casamento desde os dezoito anos, muitas vezes, se expondo em baladas, a “meretriz” trabalha com bom humor e planeja seu futuro sem depender de um casamento. Depois que a “boa moça de família” consegue o marido, passa seus dias reclamando, discutindo relação, rejeitando atos de carinho e relações sexuais com o marido,  se preocupando com a viagem que a vizinha fez, e ela quer fazer igual, procurando válvulas de escape em sites para mulheres casadas entre outras atitudes nada corretas para uma mulher casada . Por sua vez, quando a profissional do sexo vive um relacionamento, simplesmente se entrega com alegria, intensidade e busca a satisfação de ambos, pois ela é confiante, sabe o que quer e só está no relacionamento porque realmente acredita que trará felicidade mutua. E a fidelidade? A garota de programa já experimentou diversos homens e relações sexuais diferentes, sempre teve muitos homens aos seus pés e que muitas vezes não davam um dia de folga. Será que ela ainda vai precisar de algum tipo de novidade que venha de fora para massagear seu ego durante um relacionamento sério? Enquanto a “boa moça” na maioria das vezes tem problemas de auto estima, insegurança e gosta de chamar a atenção, principalmente das outras mulheres. Como será que elas resolvem este problema de eterna insatisfação?

Esse texto foi baseado em relatos de clientes que tiveram casamentos com os dois tipos de mulheres em questão! De maneira nenhuma quero generalizar, apenas mostrar que sempre existem os dois lados da situação, mas como o outro lado todos já conhecem, resolvi mostrar o lado oculto.

por Luana Gaúcha

Desde que comecei a trabalhar na área do sexo, tenho percebido que as pessoas nunca estão totalmente satisfeitas com sua situação na esfera afetiva. Falando mais abertamente a verdade é que quando estamos sozinhos , queremos estar com alguém, gerando uma busca quase que automática por esse “ alguém”. Passamos o tempo todo procurando, seja no trabalho, na academia, na rua ou qualquer lugar que seja possível encontrar  a  tão sonhada “cara metade”.

Por outro lado, quando estamos no tão almejado relacionamento, seja namoro, noivado ou casamento, chega um momento em que não estamos mais nos sentindo satisfeitos e por alguns momentos, queremos estar sozinhos . Em algumas situações, passamos a invejar as pessoas solteiras. A vontade de estar livre novamente é imensa, mas a insegurança de ficarmos sozinhos assusta e nos bloqueia. O medo da solidão é o principal responsável pela insistência em relacionamentos falidos.  As pessoas costumam encontrar outros motivos e argumentos para enfeitar e não assumir algo tão simples e até aceitável. Pois todos tem o direito de temer a solidão.

A grande diferença das duas situações é que quando estamos num relacionamento que não nos faz mais felizes, tentamos todas as formulas magicas possíveis para conseguir continuar. Nem que seja apenas fazendo de conta que está tudo bem. Milhares de profissionais nas áreas da medicina e psicologia lucram com esta situação. Afinal, qual casal já não tentou ou pelo menos pensou em fazer “terapia de casal” ? E não só os profissionais destas áreas são procurados, mas também as igrejas que já tem várias programações para casais, onde eles batem sempre na tecla de manter o casamento. Os casais, procuram agências de turismo e apostam em grandes viagens românticas, com o intuito de restaurar o casamento.  As mulheres também procuram por cursos de sedução e danças sensuais para recuperarem o interesse dos maridos. Enfim, a vontade das pessoas serem felizes nos relacionamentos é algo que move várias profissões. E vejam bem, eu não sou contra nada disso. Acho que cada um luta com as armas que tem. Minha única ressalva seria para aqueles casais que estão juntos pelos motivos errados e ainda acham que é possível que algo que venha de fora, salve seu relacionamento.

Agora, porque será que não existe nenhum auxilio nem apoio para quem está sozinho? Nem eu mesma sei a resposta, talvez seja até algo cultural, pois já crescemos e somos educados acreditando que só existe felicidade plena “a dois”. Prestem atenção nisso, pois talvez não seja bem assim.  Será que para ser feliz não é preciso independência emocional antes de qualquer tipo de relacionamento? É exatamente nesse ponto que quero chegar: A felicidade vem de dentro para fora e não de fora para dentro. Parece clichê o que vou falar, mas ninguém é feliz com alguém se não for capaz de ser feliz sozinho. Porque a felicidade é um estado de espirito que não depende de terceiros. Não podemos depositar no outro a nossa felicidade. Isso provoca uma dependência nociva ao ser humano.

Ser feliz com alguém deve ser algo natural que não dependa de nada que venha de fora. Sabem aquela sensação de felicidade que não importa o que estamos fazendo nem onde estamos? É isso que devemos sentir ao lado da pessoa que está ao nosso lado. Se precisar de algo que venha de fora é porque não é verdadeiro.

Eu me considero uma pessoa feliz no sentido geral da palavra, pois sou feliz sozinha e quando estou com alguém. Pois eu fico com a pessoa enquanto me sinto feliz. Por isso é fácil ficar sozinha novamente quando percebo que não estou mais sentindo aquela felicidade ao lado de alguém. Agora quem já não é feliz sozinho irá passar a vida toda procurando a felicidade nos outros e muita vezes, poderá chegar ao ponto de procurar em várias pessoas ao mesmo tempo. Sem sucesso!

Luana Gaúcha

Desde cedo o homem é cobrado por “ser homem” acho que todos já ouviram esta expressão tão conhecida. Pois “ser homem” pode não ser uma tarefa muito fácil, até porque, muitas vezes exige um comportamento padrão.

O homem que não perde a virgindade cedo já começa a ser rotulado por ter algo de estranho e até errado. A mulher deve preservar a virgindade, mas porque o homem não pode? A mulher pode “transar” por amor, o homem não, ele tem que transar sempre e com todas para ser homem. Talvez este seja o começo da distorção de alguns conceitos pré-estabelecidos que podem gerar a promiscuidade do nosso tempo. Primeiro porque agora as mulheres acham que a solução é se igualar aos homens e segundo porque desta forma com tanta cobrança com relação a própria virilidade, fica difícil o homem se descobrir sexualmente, tomando decisões equivocadas para a própria vida.

E os homens depois dos 40? Sempre ouvimos falar que tem homens que nesta faixa etária até se separam de suas esposas para viver um romance com outro homem. Porque isso acontece?

O homem tem um papel muito importante na sociedade. Ele precisa casar, ter filhos e ser o provedor. Depois de ouvir vários relatos, cheguei a conclusão de que os homens primeiramente tem o dever encontrar uma esposa e não uma mulher para amar. Geralmente a mulher para amar vem depois geralmente na fase mais madura. É muito difícil um homem entre vinte e trinta anos conhecer o verdadeiro amor. O que ele sabe é que precisa se casar com uma boa esposa e formar uma “família”. Será que se as pessoas casassem mais tarde os casamentos não dariam mais certo?  Geralmente os casamentos que duram em sua essência e não apenas na aparência são realizados na maturidade.

Vou contar uma triste história que sempre escuto infelizmente acontece numa enorme proporção nos dias de hoje:

“Eu casei cedo com uma ótima esposa, tive filhos, tenho uma família perfeita, mas nunca fui feliz. Agora encontrei a pessoa que me trouxe uma felicidade, a qual, eu desconhecia até agora.”

E assim vai, alguns com mulheres que conhecem no trabalho ou atividades em comum, outros com garotas de programa que geralmente são a primeira opção de tentar conhecer alguém sem compromisso, mas que muitas vezes tem uma repercussão bem maior, e outros até com pessoas do mesmo sexo.

Acho que isto é mais uma questão cultural e ainda vai levar alguns anos ou até décadas para reverter, mas enquanto isto não acontece a minha dica é:

Sejam felizes homens de 40 ou mais, pois nunca é tarde e alguns dias de felicidade podem virar um infinito dentro de dias contados.

As fantasias tem um papel importante na nossa vida, pois desde crianças fantasiamos aquilo que desejamos. Existem vários tipos de fantasias inclusive sexuais, todos nós conhecemos muito bem. É desse tipo de fantasia que iremos tratar.

As fantasias sexuais surgem na nossa mente desde a infância e principalmente no período da pré-adolescência, quando começamos a nos masturbar. Muitas vezes não identificamos que são apenas fantasias e assim esses pensamentos “pecaminosos” podem nos prejudicar. O importante, nessa fase, é que seja esclarecido para o adolescente que essas fantasias são normais e somente na fase adulta podemos identificar o que é saudável e o que pode ser prejudicial.

Parece que a falta de informação e  orientação tem prejudicado muito a geração atual, pois o que era considerado proibido se tornou algo que deve ser realizado antes do amadurecimento. Um exemplo disso é que hoje os adolescentes decidem sua opção sexual baseado em fantasias. Sim, é isso mesmo! É perfeitamente normal fantasias homossexuais nesta fase, o que não significa que devemos levar as fantasias ao pé da letra, tomando decisões tão importantes sem questionar a nós mesmos. Qual a menina que nunca teve fantasia com as amigas? Antigamente, nesta fase as meninas brincavam de médico. Agora elas transam e se assumem lésbicas perante a sociedade. Essa precocidade na tomada de decisões pode interferir quando elas chegam na fase adulta e começam a gostar de homens também, então começa a gerar uma confusão de sentimentos.

Esse é apenas um exemplo que deve ser avaliado, dentre tantas outras fantasias que devemos entender o que é real e o que são apenas pensamentos que geram excitação sexual. Pois, as fantasias também são importantes para nossa satisfação sexual. Desde que começamos a nos masturbar pensamos em “coisas proibidas”, as quais nos excitam e levam ao orgasmo. Geralmente os homens tem mais facilidade de lidar com isso, por serem mais racionais. Portanto, podem chegar mais rápido ao orgasmo com uma relação sexual satisfatória, pelo simples fato de liberarem suas fantasias. Ao contrário de algumas mulheres que, muitas vezes, por serem  mais reprimidas, bloqueiam seus próprios pensamentos que poderiam leva-las ao ápice do orgasmo e uma relação prazerosa.

Nem sempre as fantasias devem ficar somente no pensamento, pois um dia temos o livre arbítrio para realiza-las com maturidade para distinguir o que é saudável para nossa vida sexual na fase adulta. Casais saudáveis que se amam, sentem atração um pelo outro, pois é impossível amar sem se sentir atraído pela pessoa, quando isso acontece é porque o amor de casal acabou, dando lugar para outros sentimentos, onde o sexo e as fantasias já estão ligados a outras pessoas que não seu parceiro. Numa relação saudável onde existe amor, é possível realizar muitas fantasias e brincadeiras sexuais. Desde que estas fantasias não ultrapassem os limites do certo e errado de cada pessoa. Eu acho muito saudável um casal que faz do sexo parte de atividades de lazer, como por exemplo: transar em locais e momentos inusitados. E isso só é possível quando temos atração pelo nosso parceiro, e o desejo está sempre presente ao invés de surgir somente na “hora de transar”.

Talvez este seja o motivo de fantasias prejudiciais ao ser humano, a falta de desejo entre os parceiros, gerando uma necessidade de algo que não sabemos identificar. Avalie se a pessoa que está ao seu lado é realmente aquela que você quer realizar suas fantasias mais intimas ou se ela será apenas um coadjuvante.

Luana Gaúcha

Todos conhecem este ditado bem antigo. Alguém já parou para pensar até que ponto esta afirmação é verdadeira? A meu ver, quem cala realmente consente. Sabem por quê?

Eu vou explicar: Quando estamos num relacionamento, aos poucos vamos aceitando pequenos acontecimentos que parecem insignificantes,mas nos aborrecem e   podem prejudicar uma relação  para sempre.

Muitas vezes não falamos por medo da reação do outro, ou até mesmo por não saber expressar da forma correta o que não nos agrada. Pois se não concordamos com algo e nos calamos, a outra pessoa pensa que está tudo bem. Mas não está! Assim nos tornamos insatisfeitos com a relação, cultivando uma ferida que talvez não cicatrize nunca mais.

Por outro lado, se a outra pessoa estiver errada, ao nos calarmos, além de consentir estaremos incentivando o erro. Um exemplo muito fácil disto é quando uma criança comete um erro e em vez de explicar para a criança que está agindo errado, simplesmente a reprendemos ou não falamos nada. Indiretamente estamos consentindo e incentivando a criança a fazer o errado, em vez de ensinarmos o certo.

Portanto não devemos nos calar diante de fatos que não concordamos, por mais que seja difícil, sempre devemos expor o problema com muito carinho e sinceridade. Dessa forma é possível um relacionamento baseado na verdade e na satisfação de ambos.

Luana Gaúcha

Todo mundo aqui, já deve ter passado por algum tipo de relacionamento que logo no início já sentiu que seria nocivo. Mesmo assim resolveu encarar e viver intensamente.

Muitas vezes, detectamos os sinais desde o inicio, mas fingimos para nós mesmos que eles passaram despercebidos. Quem nunca sentiu aquela paixão louca, que prejudica a pessoa em quase tudo, mas traz alegria e faz o peito transbordar de felicidade.  Que tipo de felicidade é esta? E você, já passou por isso? Será que existe alguma formula para evitar? Não, ainda não inventaram, então terá que tirar uma força de dentro de você que te deixará exausto, por muito tempo.

Até as pessoas que não tem propensão a sofrer por amor, um dia passam por isto, ninguém escapa. Tudo acontece muito rápido e você não tem tempo de se defender. Porque a paixão toma conta de você, num piscar de olhos. Inclusive as pessoas mais experientes, se deixam levar mais de uma vez, pelo mesmo tipo de sentimento, que sempre parece único, sendo capaz de anular nossas paixões anteriores.

Quando você já conhece o caminho, porque já passou por isso e viveu uma paixão até seus limites que acabou de forma trágica. Nesse caso parece que a responsabilidade é maior, a gente se sente obrigado a evitar, que a tragédia se repita, então começamos a encontrar desculpas para nós mesmos, como: “Não, desta vez, não vou me apaixonar, vou levando para ver no que vai dar. Agora já sei até onde posso ir.”

Ledo engano, você já está tão envolvido que não quer parar, a próxima sensação é: Agora acho que me apaixonei, mas ainda tenho controle da situação. Ilusão! Um ser apaixonado não tem controle nem de si mesmo, quanto mais de alguma situação. Mas você precisa parar, já conhece o caminho das trevas. Precisa ser mais forte que o sentimento que toma conta do seu peito. Assim como a outra pessoa que  está ali do seu lado te oferecendo os sentimentos que parecem os mais sinceros e bonitos. Nesse caso você também já sabe que esses sentimentos podem se transformar nos piores e mais mesquinhos quando as dificuldades aumentarem. Se tivesse como enxergar dois caminhos você até poderia se dar ao luxo de arriscar. Mas já sabe que nessa situação só existe um caminho onde só tem dificuldades e escuridão. Não há mais esperança no seu coração.

Então você toma a atitude, a qual, já tem ciência que é a única correta. Não pode trilhar o caminho das trevas novamente. E quando toma a decisão, titubeia, sofre, sente um vazio imenso. Sente vontade de gritar, de chorar, de dormir, perde o sono, não consegue comer, mas tem que ser forte. Se a outra pessoa não quer te deixar partir, fica com raiva por não te deixar ir em paz. Agora, se por outro lado, ela aceita, você também sente raiva por te deixar ir embora de sua vida.

Você perde o chão, tem vontade de voltar atrás e dizer: Esquece, não quero mais nosso afastamento, quero ser feliz!! Mas não adianta você sabe que o futuro desta relação não permite felicidade, é um tipo de relacionamento que não pode dar certo.

Nesse momento pensa: “ Eu sou uma pessoa forte, sempre fui. Porque está tão difícil? Tenho que conseguir” Enquanto tudo que você quer, é ouvir a voz da pessoa, sentir o cheiro, tocar na sua pele e não se desgrudar nunca mais. O pior é quando você tem que conseguir sozinho, porque sabe que a outra pessoa está ali com a mão estendida te esperando desistir dessa maluquice de fugir de um sentimento tão gostoso.

A sensação não poderia ser pior, é como se estivesse fugindo de uma chuva de pedras que correm atrás de você e encontra um buraco para se proteger. Nesse buraco está a sua felicidade, alegria de viver, fonte de inspiração e energia vital. Só que você não pode ficar ali para sempre, vai precisar de água, alimento, roupas e agasalho. Sentirá sede, frio e fome. Então você fica oscilando entre, a chuva de pedras e seu buraco da felicidade, até que a tempestade de pedras acabe e tudo volte como era antes. Só restarão as feridas causadas pelas pedras.

Luana Gaúcha

Neste final de semana, quando assistia um filme ouvi o seguinte pensamento: “ A paixão é como uma música que toca dentro de nós, podemos ouvi-la a qualquer momento com qualquer pessoa, as vezes, duas pessoas ouvem no mesmo momento, outras momentos antes ou momentos depois. Também podemos ouvir apenas algumas notas com algumas pessoas, até que um dia ouvimos a música inteira com aquela pessoa!”

Não pude deixar de refletir sobre algo tão bonito e tão complexo. Será que a paixão é tão complexa quanto pensamos? Talvez não! Talvez seja bem mais simples do que imaginamos…

Passamos boa parte de nossas vidas tentando ouvir “ a tal música” mas quando ela toca pode nos causar sensações desconhecidas que nos provocam receio.

Dias atrás eu conversava com um cliente sobre a paixão, fiquei surpresa quando ouvi com tanta naturalidade que a paixão nada mais é, que o primeiro passo para o amor , pois sem passar pela paixão não é possível alcançar o estagio do  amor. Era exatamente o que eu pensava, inclusive já havia pesquisado sobre as explicações genéticas deste assunto polêmico. Mas realmente foi a primeira vez que ouvi alguém falar com tanta clareza sobre isso. Então, pensei, talvez as explicações cientificas estejam corretas, constatando que esses dois sentimentos que as pessoas costumam separar, caminham juntos, lado a lado, sem tanta complicação.

Segundo as pesquisas genéticas, a paixão pode ser definida por uma simples questão de cheiro. Foi realizada em 1995  pelo Cientista, Claus Wedekind , uma pesquisa onde homens e mulheres foram testados e deveriam escolher os cheiros mais agradáveis entre eles. Depois das escolhas seus genes foram avaliados e foi detectado que ambos eram atraídos por indivíduos com o gene MHC oposto um ao outro. Ou seja, é possível mapear a compatibilidade genética de um casal. Indo mais a fundo podemos até chegar nos motivos, pelos quais alguns casais não tem compatibilidade genética para terem filhos.

Essa compatibilidade do genótipo MHC, pode ser a grande responsável pela atração inicial, quando olhamos aquela pessoa e sentimos algo diferente. O mais interessante é que este gene está presente na saliva, esta pode ser a explicação para o beijo de alguém parecer o melhor do mundo e o cheiro simplesmente irresistível. Deve mesmo haver uma explicação cientifica para isso. Porque  de algumas pessoas gostamos do cheiro natural e outras não suportamos nem com o melhor perfume? Porque o gosto do beijo de uma pessoa pode ser melhor do que da outra?

O primeiro passo é seguir o nariz. O cheiro é algo poderoso, considerado como parte do amor, pois ninguém aguenta um cheiro que desagrada por muito tempo. Depois dessa parte, os hormônios  da paixão e do amor começam a entrar em ação.

*A testosterona responsável pelo imenso desejo sexual masculino, também pode atiçar as mulheres, pois eles liberam através do beijo na própria saliva(talvez seja por isso que o beijo é tão importante para a mulher).

*A dopamina é responsável pela sensação de prazer, portanto é liberada quando estamos com alguém que nos proporciona estas sensações.

*A vasopressina, e ocitocina são os hormônios de ligação, que são liberados no momento do orgasmo, tendo um papel fundamental na evolução da paixão para o amor. Inclusive, no homem a vasopressina é chamada de hormônio da fidelidade. A ocitocina atua na estabilidade da relação, nos atos de carinho e afeto, principalmente na mulher. Quando existe um equilíbrio na produção destes hormônios, a paixão pode evoluir para o estagio do amor e até durar para sempre, se houver compatibilidade nas outras áreas também.

Talvez a chave de tudo, seja começar seguindo nossos sinais corporais, para quem sabe, depois de algum tempo realmente ouvir a música inteira….

Luana Gaúcha

Depois de ouvir inúmeros relatos de clientes que tentam entender o motivo pelo qual suas esposas não querem mais fazer sexo, fiquei realmente muito curiosa sobre o assunto. Resolvi pesquisar mais a fundo, li alguns livros e descobri que já foram feitas algumas pesquisas em New England e na Austrália.
Devido as pesquisas foram realizados tratamentos a base de testosterona, pois acreditava-se que a baixa libido das mulheres poderia ser ser ocasionada pelo nivel relativamente inferior ao dos homens. Já que os homens necessitam de sexo diariamente e estão sempre prontos para o ato.
Infelizmente o nivel de testosterona não influi diretamente na libido feminina.Pode funcionar para algumas mulheres, principalmente para aquelas que sempre tiveram alta libido mas sofreram uma queda na menopausa. Infelizmente não funciona para todas. Pois, como tratar as jovens com baixa libido? E aquelas com altos niveis de testosterona e sem libido alguma?
As pesquisas foram mais profundas e agora trabalha-se em cima dos genes. Pois os genes são responsáveis pelas variações no nosso organismo e pela produção da oxitocina (hormônio da caricia). A liberação de oxitocina aproxima o casal, cria laços. E as mulheres necessitam de aproximação para sentirem desejo.
Os homens desejam sexo para se sentirem íntimos de suas mulheres, mas as mulheres desejam se sentirem intimas de seus homens para quererem sexo.”
Na Alemanha foi constatado, por outro tipo de pesquisa, que as mulheres só sentem desejo antes de se sentirem numa relação estável. Faz sentido, para mim, pois já ouvi muitos clientes falarem que antes do casamento existia sexo e logo após a noite de nupcias ( as vezes na noite de nupcias mesmo) o sexo desapareceu da relação. Nesses casos a cama pode se transformar num verdadeiro campo de batalha, pois o homem sente-se rejeitado sexualmente por sua parceira, que por outro lado não tem culpa da baixa de sua libido.
O primeiro passo em todos os casos é ter consciência e assumir o problema. Conversar sempre abertamente, enxergando a realidade e avaliando o que é mais importante para o casal. O sexo ou o companheirismo? Pergunta difícil esta…. Companhia faz muito bem, mas quem vive sem sexo a vida toda?
Luana Gaúcha

Ps: Nos próximos textos apresentarei alguns passos para a solução desse drama noturno que afeta casais do mundo inteiro